Sin City: A cidade do pecado, de Frank Miller


"A única coisa que sei fazer bem nessa vida é matar. Então, acho que mereço me divertir." - Marv

Se você curtiu Batman: ano um, Demolidor: a queda de Murdock e Elektra Assassina, não hesite em ler Sin City: A cidade do pecado, a obra prima de Frank Miller.
  
O personagem principal desta história de Sin City é Marv, um grandalhão que ama confusão e vive em bares, mas, apesar do jeito troglodita de ser, ao decorrer da trama, mostra-se uma pessoa muito amavel e que não aceita injustiça, como a violência e o desrespeito à mulher.
Marv se envolve com a prostituta Goldie que, segundo ele, foi a única mulher que se interessou verdadeiramente por sua pessoa. (SPOILER) Ele acorda e Goldie está morta ao seu lado.

O nada delicado Marv sente-se na obrigação de ir atrás do assassino da única mulher de sua vida. Ele se entrega por essa paixão doentia, fazendo de tudo para descobrir e matar quem tirou a pequena Goldie de seus braços, andando por cada beco, boca e boate de Sin City.



Sin City é uma verdadeira Sodoma e Gomorra, onde a corrupção, violência e imoralidade pairam no ar. A parte mais quente da cidade é Basin City, o centro velho da cidade, onde os negócios lucrativos das garotas de programas acontecem. A cidade é comandada há tempos pela família Roark, que tem em sua linhagem senadores, promotores públicos e cleros da igreja católica. 

São Patrick Henry Roark, cardeal da cidade, é o foco de Marv. Ele é o homem mais poderoso do estado: derrubou prefeitos, elegeu governadores e poderia até ser presidente, mas preferiu "servir a deus".

A HQ (em formato de livro editada pela Devir) contém mais de 210 páginas, mas como os diálogos são curtos, é uma leitura rápida, de umas 4 horas. O  que mais chama atenção, é o estilo de desenho aplicado por Miller: preto e branco, artístico, intenso e com poucas intervenções de cores, prendendo a atenção de quem lê (perdi alguns segundos tentando identificar determinados quadros).

A edição saiu originalmente em 1991, quando o já consagrado autor e desenhista, resolveu por em prática o seu sonho: criar uma HQ onde misturasse os elementos dos filmes noir dos anos 40 (detetives, mocinhas, bandinhos, preto e branco) com alguns elementos já conhecidos de suas histórias (ninjas, violência, sexo...).



O mais legal, talvez, de Sin City, seja a sua adaptação para o cinema. Como grande fã dos filmes de Robert Rodrigues (A balada do pistoleiro é o meu favorito), fiquei bem entusiasmado quando anunciaram o longa. O cara é fera e não decepcionou os fãs.

Rodriguez sabia da importância e da dificuldade de fazer uma película perfeita, por isso, fez um curta metragem com uma das histórias de Sin City e apresentou ao Frank Miller. Pasmo com tanta fidelidade aos quadrinhos, Frank topou na hora!

Obs.: Talvez você não saiba, mas Quentin Tarantino é co-diretor do filme, e só aceitou participar porque Rodriguez ajudou na direção de Kill Bill, fez a trilha sonora e só cobrou um 1 dólar.

Enfim, Sin City é uma verdadeira ode aos quadrinhos adultos. É eletrizante, tenso e te prende do começo ao fim. Mesmo que, assim como eu, você não seja fã do gênero e prefira as histórias mais convencionais, abra sua mente e procure saber mais sobre a série. O estereotipo que você tem do "herói" vai mudar completamente. 


Compartilhe no Google Plus

About Muller Nascimento

Empreendedor na Hardskull Clothing; marketeiro por formação; metido a designer, videomaker e fotógrafo; louco por café e apaixonado por gatos. Conheça meu trabalho em www.mullernascimento.com