Resenha: Perdão, Leonard Peacock



Perdão, Leonard Peacock é o novo livro de Matthew Quick, e narra em primeira pessoa o dia em que Leonard Peacock faz 18 anos, mas ele não está feliz, ele pretende matar seu ex-melhor amigo, Asher Beal, e se suicidar. Antes disso ele tem a missão de se despedir e entregar presentes para as quatro pessoas mais importantes de sua vida.

O PROTAGONISTA:

Leonard Peacock é um jovem solitário e depressivo; tem cabelos longos, no melhor estilo “grunge maconheiro”; Fã de Hamlet. Acredita que Shakespeare apoia o suicídio; é ateu extremamente inteligente e crítico; se sente totalmente rejeitado pela mãe estilista, que o deixou sozinho em South Jersey; o pai alcoólatra e falido fugiu para a Venezuela, foi pego pela polícia e ninguém nunca mais o viu; admira muito o professor, a única pessoa que se preocupa realmente com ele.

    //

    Eu não uso essas porcarias de marca, não jogo nem acompanho nenhum esporte popular.... Eu não sou um seguidor. Não sou sociável. Nem mesmo estou no Facebook. 

    //

 Leonard também prática ser adulto; veste seu terno de funerais, compra o jornal pega o trem e escolhe um alvo “miserável para seguir. Ele conversa mentalmente com a pessoa, tentando convencer a fazer o que gosta, e não o que a deixa tão pra baixo.

     //

    Eu sou apenas um garoto idiota.... Eu quero saber se crescer vale a pena. Só isso preciso saber se aguento....Minha teoria é a de que perdemos a capacidade de ser feliz à medida que envelhecemos.

     //

 OS AMIGOS: 

Walt: um senhor que mora sozinho ao lado da casa de Leonard. Eles se comunicam com falas de Humphrey Bogart, o uísque, os cigarros, os filmes antigos de Hollywood e a companhia de Leonard são as únicas coisas que ele tem.

Baback: Jovem descendente de iranianos, que, se tivesse cabelos brancos, pareceria o presidente Mahmoud Ahmadinejad. Assim como Leonard, sofre bullying de Asher Beal e seus comparsas. Quando Leonard o conheceu era pequeno e franzino, mas com o passar dos anos, cresceu muito e se tornou um rapaz muito apresentável. Toca violino como ninguém, mas apenas Leonard sabia disso na escola.

Lauren Rose: Loura, alta e religiosa, estuda em casa e não é corrompida. O pai é pastor. Nunca beijou nenhum homem, apesar de já ter namorado anteriormente. Leonard é apaixonado por ela, e ele acredita que o sentimento seja reciproco (ele deseja beijar ela antes de se matar).

Herr Silverman: Herr Silverman é o único professor que se preocupa com os alunos e dá o trabalho de demonstrar isso para eles. Por algum motivo misterioso, mantem os antebraços constantemente cobertos. Houve dias em que Herr Silverman foi a única pessoa a olhar nos olhos de Leonard. Tem papel fundamental na história.

 ASHER BEAL, O EX-AMIGO:

Asher Beal é o famoso popular da escola que faz sucesso com todos e humilha os renegados. Ele e Leonard eram grandes amigos até o início da adolescência, mas por algum motivo chocante (você saberá durante a leitura), ele se tornou agressivo e arrogante, e a amizade dos dois foi abalada. Os pais de de Asher nunca perceberam o comportamento do filho.

    //

    Mate o alienígena, penso. Lembre-se do que ele fez com você. Você tem todo o direito. Ele não é humano. Ele é uma coisa. Um alvo.

    //

CARTAS DO FUTURO: 

Os capítulos são quebrados por algumas cartas do futuro. No decorrer da história, mais para o final do livro, você entenderá o significado delas. Nelas existem mensagens reconfortantes de como seria o futuro, pedidos de força e superação da parte de Leonard (confesso que chorei muito lendo essas supostas cartas).

    //

    É uma boa vida, Leonard. Aguente firme. O futuro é melhor. Apenas aguente firme, está bem? 

    //

CONCLUSÃO:

 Mattheu Quick tem o dom de nos fazer chorar como crianças. De verdade. Não sou do tipo que se comove com histórias fictícias, mas está....

     //

    Você é diferente. E eu sei como é difícil ser diferente. Mas também sei a arma poderosa que ser     diferente pode vir a ser. Como o mundo precisa de tais armas. Gandhi era diferente. Todas as grandes pessoas também pessoas únicas, como eu e você, precisam procurar outras pessoas únicas que as entendam, para que não fiquem muito solitárias.

     //

 Perdão, Leonard Peacock traz à tona problemas sociais muito comuns hoje, mas que passam despercebidos: o que leva uma pessoa a agredir de forma verbal e física outro ser humano, como é a mente de um jovem que sofre bullying, as consequências que os filhos sofrem por terem pais relapsos e a importância da aproximação entre professores e alunos.

Se você gostou de O lado bom da vida, não deixe de ler está história. Mas prepare o rolo de papel, pois você vai chorar muito.

Texto publicado originalmente por mim no blog do iba, no dia 20 de agosto de 2013.

Compartilhe no Google Plus

About Ceroula Blog

Empreendedor na Hardskull Clothing; marketeiro por formação; metido a designer, videomaker e fotógrafo; louco por café e apaixonado por gatos. Conheça meu trabalho em www.mullernascimento.com